Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013

PARA LER E MEDITAR

   Deixo aqui em seguida um texto retirado do blog http://www.joaotilly.blogspot.pt/ com o título "Ano Novo, fado velho", onde o seu autor faz uma reflexão pessoal sobre o Estado da Nação.

   Leia e medite sobre as suas palavras.

Ano Novo, fado velho

   "O novo ano começou. Espera-se tradicionalmente uma "vida" nova. Mas não para os portugueses mansos.

   2013 trará mais do mesmo. E 2014 pior e assim sucessivamente porque a receita é a mesma e enquanto este governo não cair e o próximo não exigir novos prazos e condições semelhantes às da Grécia as nossas pequenas e médias empresas continuarão a falir e o desemprego a disparar por mais que os números sejam manipulados com cursos e mais recursos em centros de emprego em que ninguém ensina e ninguém aprende.

   Portugal será novamente resgatado no final de 2013 mas só depois de atingirmos o caos total. De haver fome generalizada e dos doentes morrerem nas urgências dos hospitais por falta de tratamento e de meios de diagnóstico.

Morrerão dezenas de milhares de velhinhos com gripes vulgares o que produzirá uma acrescida poupança para o estado que será de imediato comida pela descoberta de mais e mais buracos orçamentais.

   Este genocídio fará com que Portugal se aproxime da média etária da Europa. Não porque nasçam mais crianças mas porque se matarão centenas der milhares de velhos nos hospitais entretanto transformados em ante câmaras das morgues.

   Estou a escrever isto bem sabendo que provavelmente é o que me acontecerá a mim e a muitos outros portugueses de meia idade.

 

É isto Portugal

   Ano novo, miséria intelectual velha. E generalizada.

   Os políticos rastejam para sobreviver na política. A política é isso: manter os empregos aos que lá estão e impedir os outros de tomar os seus lugares.

   Não me refiro, evidentemente, aos políticos locais - que há muita gente séria e honesta por essas terras fora que dão o seu melhor em prol do bem estar das populações, a maior parte das vezes sem dinheiro sequer para pagar as facturas das pequenas obras e melhorias que lá vão conseguindo implementar; mas aos que, em Lisboa, manipulam diariamente milhões em dinheiros que, roubados em forma de impostos a quem trabalha, são sistematicamente canalizados para manter as suas próprias mordomias.

   Vivemos isto desde os últimos anos da Monarquia.

   A República imposta ao povo não resolveu o problema da sua galopante estupidificação.

   Há agora muito mais escolas onde se ensina mais e melhor. Mas o nível intelectual da esmagadora maioria do povo não aumentou na proporção esperada.

   Por isso este governo faz deste povo o que quer. Esmaga-o como entender. Não há espírito crítico neste povo que continua a deixar que lhe imponham as maiores indignidades, pacificamente.

   Até o inútil presidente da República foi forçado a enviar o orçamento genocida ao TC tal o escândalo do seu conteúdo e do inacreditável e inexequível confisco que lança sobre quem trabalha e toda a vida trabalhou.

Mas o povo nem isso exigiu.

   A Solução Primeira: a consciencialização popular

Arnaldo Matos e Karl Marx estavam, num ponto, absolutamente certos. É urgente EDUCAR o povo. Não só a classe operária que já nem sequer existe, mas todo o povo na sua globalidade.

   Enquanto este nível de consciencialização popular for o que é, a única esperança para que este país finalmente possa começar a evoluir é restringir o direito de voto apenas àqueles que sabem o que estão a fazer, retirando a possibilidade a quem não faça a mínima ideia das funções dos órgãos de soberania para os quais vota, de neles repetida e estupidamente continuar a votar.

   Ou seja: suspender a democracia para todos aqueles que não sabem nem querem saber como usar os seus Direitos e Deveres cívicos. E, com essa restrição temporária, obrigar a população futeboleira alienada, demitida e amorfa a aprender que está viva, que país é este, que Europa é esta, que mundo é este e para que servem as instituições.

   E aí, sim. Depois do exame feito, poderá voltar a votar.

   Não há mais nenhum caminho para além deste. Retirar aos alienados (a esmagadora maioria da população adulta actual) a possibilidade de escolher, se não sabe o que está a fazer.

   Obrigá-los a aprender, fazer-lhe o teste de cidadania e depois readmiti-los nos cadernos eleitorais.

Não há nada mais politicamente incorrecto nem nada mais lógico que isto, que nada tem a ver com o que defendeu Ferreira Leite há 2 anos. Ela queria suspender a democracia por 6 meses para se fazerem as reformas tidas por necessárias.

   Eu defendo a sua suspensão temporária apenas àqueles que a não sabem usar.

   Sem este primeiro passo para a reconstrução do país e a dignificação e reconstrução intelectual do seu povo todos os subsequentes são inúteis.

   Com um nível intelectual aberrante como o português e a sua idiossincrasia no panorama europeu actual, não é possível construir-se coisa nenhuma em democracia. Só em ditadura. Como sempre aconteceu."

Publicada por João Tilly em 2.1.13 

publicado por cagido às 10:26

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Visitantes

Contador de visitas

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PÓVOA DO PEREIRO

. A NECESSITAR DE REQUALIFI...

. PROFESSORA PALMIRA, ONTEM...

. FAMÍLIA E TRABALHO

. SUPERTAÇA FEMININA DE HÓQ...

. METAS OU OJETIVOS? HORIZO...

. ANADIA

. ARTE OU PAIXÃO?

. REGRESSO ÀS AULAS

. "PROFESSOR! NAS FÉRIAS VI...

. "PROFESSOR! NAS FÉRIAS VI...

. PROBLEMAS VS SOLUÇÕES

. PROFESSOR! NAS FÉRIAS VIS...

. PROFESSOR! NAS FÉRIAS VIS...

. ENSINO VS APRENDIZAGEM

. NOVO ANO LETIVO

. JOGO DA MALHA

. PROFESSOR! NAS FÉRIAS VIS...

. "AQUI PORTUGAL", EM ANADI...

. ESCARPELADA EM AVELÃS DE ...

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds