Terça-feira, 6 de Agosto de 2013

ECOPARQUE DE ANADIA - UM ESPAÇO INTERGERACIONAL

   No fim de pronto, Anadia é talvez a cidade de Portugal com maiores recursos para a prática desportiva para todas as idades. Agora não há desculpas, todas as pessoas têm igualdade de oportunidades, seja a prática de exercício físico a pagar ou não. Como diz o brasileiro "Vamo todo mundo, toca a mexer e tirar o pé do chão". Mas atenção, para o bem estar e qualidade de vida não se deve apostar só na vertente desportiva, não podemos esquecer áreas como a saúde, a educação, a cultura, o turismo, o comércio, etc.

publicado por cagido às 13:18

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Setembro de 2012

REGRESSO À ESCOLA

   Um bom lembrete para todos os pais e encarregados de educação.

publicado por cagido às 12:33

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Março de 2012

«A ATUAL EDUCAÇÃO ESTRAGA AS CRIANÇAS»

   Eduardo Sá, psicólogo, psicanalista e docente da Universidade de Coimbra e no Instituto de Psicologia Superior Aplicada, veio ao Algarve na última sexta-feira (13 de janeiro) defender junto dos pais, professores e outros educadores que “a escola, como tem vindo a ser pensada desde há uns anos, estraga as crianças”.

Foi assim que iniciou a sua palestra no Colégio de Nossa Senhora do Alto, em Faro, uma iniciativa promovida em colaboração por aquela instituição e pelo Centro de Formação Ria Formosa sobre o “Envolvimento Parental na Escola”.
   Perante um auditório com cerca de 280 pessoas, o conferencista afirmou que “a estrutura tecnocrática, em que se transformou a educação, faz mal” e criticou o “furor da formação técnica e científica” que levou ao esquecimento de que “o melhor do mundo não é a escola mas as pessoas e, em particular, as relações familiares”. Lamentando a ausência de uma lei de bases para a família e para a criança, Eduardo Sá lembrou que “há aspetos muito mais importantes do que a escola na vida das crianças”, como a família. “Estamos a criar uma mole de licenciados e de mestres aos 23 anos que esperamos que sejam ídolos antes dos 30 e o fundamental não é isso”, lastimou, lembrando que “estamos a exigir aos nossos filhos que sejam iguais a nós: que ponham o trabalho à frente de tudo o resto”, esquecendo-nos de brincar com eles.
   O conferencista considerou que “criámos uma ideia absurda de desenvolvimento” e lembrou que “a vida não acaba aos 17 anos com a entrada no ensino superior”. “Só os alunos que tiveram pelo menos uma negativa no seu percurso educativo é que deviam entrar no ensino superior porque estamos a criar uma geração de pessoas imunodeprimidas”, defendeu, sustentando que “errar é aprender”.
   Eduardo Sá disse achar “uma estupidez” crermos que tecnocratas sejam “sempre mais inteligentes porque dominam a estatística”, “inacreditável” que “o mundo, hoje, privilegie o número à palavra” e um “escândalo” que, “nesta sociedade do conhecimento, não perguntemos até que ponto é que mais conhecimento representou mais humanidade”. “Este mundo está felizmente a morrer de morte natural. O futuro vão voltar a ser as pessoas”, congratulou-se, considerando a atual crise uma “oportunidade fantástica que temos a sorte de estar a viver”. “Esta crise representa o fim de um ciclo que aplaudo de pé. Este furor positivista está felizmente a morrer”, complementou, considerando que “o custo do positivismo foi a burocracia e a tecnocracia”.“Acho ótimo que possamos reabilitar algumas noções que parecem ferir os tecnocratas e que são preciosas para a natureza humana. Acho inacreditável que, depois do positivismo, a fé tenha passado de moda porque a fé é uma experiência de comunhão entre as pessoas”, acrescentou.
   Eduardo Sá defendeu que as “educações tecnológicas” possam dar lugar à “educação para o amor” como “a questão mais importante das nossas vidas”. “Acho fundamental que tenhamos a coragem, a ousadia e a verticalidade de dizer que a maior parte das pessoas se sente mal-amada e acho fundamental explicar aos
nossos filhos que é mentira que acertemos no amor à primeira e que é notável aquilo que se passa dentro do nosso coração”, afirmou.
   Neste sentido afirmou que “devia ser proibido dizermos aos nossos filhos que se deve casar para sempre”. “Sempre que namoramos mais um bocadinho, casamo-nos mais um pouco e sempre que deixamos de namorar, divorciamo-nos em suaves prestações”, concretizou a provocação, considerando o casamento tão sagrado como frágil. “É uma experiência sagrada porque duas pessoas que decidem comungar-se é uma experiência tão preciosa que é sagrada, mas é frágil porque, às vezes, os pais estão tão preocupados com a educação dos filhos que se esquecem de namorar todos os dias”, lamentou, lembrando que “pais mal-amados tornam-se piores pais”. “É fundamental que a relação amorosa dos pais esteja em primeiro lugar, antes da relação dos pais com as crianças”, sustentou.
   Eduardo Sá defendeu que “as crianças devem sair o mais tarde possível de casa” e jardins de infância “tendencialmente gratuitos para todos”. “Não se compreende como é que a educação infantil e o ensino obrigatório não são a mesma coisa”, criticou, lamentando que os governantes, “nomeadamente a propósito da crise da natalidade”, não perguntem: “quanto é que uma família da classe média (se é que isso ainda existe em Portugal) precisa de ganhar para ter dois ou três filhos num jardim de infância”.
   O psicólogo defendeu ainda jardins de infância onde as crianças “brinquem e ouçam e contem histórias”, tenham educação física, educação musical e educação visual. “O ensino básico não é muito importante senão para que, para além de tudo isto, as crianças tenham português e matemática”, disse, considerando ser “mentira que as crianças não tenham competências para a aprendizagem da matemática”. “É ótimo brincar com a matemática mas a matemática sem o português torna-nos estúpidos. Não consigo entender que este país não acarinhe a língua materna”, criticou.
   Eduardo Sá disse ainda não achar que “mais escola seja melhor escola”, criticando os blocos de aulas de 90 minutos porque aulas expositivas daquela duração são “amigas dos défices de atenção”. “Acho um escândalo que as crianças comecem a trabalhar às 8h, terminem às 20h e que tenham, entre blocos de 90 minutos, 10 minutos de intervalo. Quanto mais as crianças puderem brincar, mais sucesso escolar têm”, defendeu, acrescentando que “os pais estão autorizados a ser vaidosos com os filhos mas proibidos de querer a criar jovens tecnocratas de fraldas”. “Devia ser proibido que as crianças saíssem do jardim de infância a saber ler e escrever”, advertiu.
   A terminar, defendeu ser possível “ter sucesso escolar” e “gostar da escola”.
   “Tenho esperança que um dia as crianças queiram fugir para a escola”, concluiu.

 In Folha de Domingo

 Samuel Mendonça

publicado por cagido às 12:45

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 31 de Janeiro de 2010

ANTES E DEPOIS

Antiga Escola Primária de Anadia

Tribunal de Anadia

   Será que valeu a pena a modificação que se registou?

   Tanto a Justiça como a Educação estão a atravessar momentos um pouco conturbados.

   No antes, o ensino até funcionava bem, havia aprendizagem, rigor e disciplina.

   No depois é melhor abster-me de fazer comentários, dado às injustiças verificadas por todo o país.

publicado por cagido às 16:35

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

CONFERÊNCIA COM PAULO RANGEL SOBRE EDUCAÇÃO

   

O Dr. Paulo Rangel, a convite da Comissão Política de Secção do PSD de Anadia (PSD/Anadia), desloca-se ao Concelho de Anadia, para a Conferência “Educação, Professores e Alunos".
 
Este evento ocorrerá no dia 08 de Janeiro de 2010 (Sexta-feira), pelas 21 horas, no Palace Hotel da Curia.
 
A Conferência terá uma intervenção inicial do Dr. Paulo Rangel a que se seguirá um momento de debate do palestrante com os presentes, momento este que se quer dinâmico e de discussão de ideias.
 
Esta iniciativa, dirigida primordialmente aos militantes do PSD, está igualmente aberta aos simpatizantes e à sociedade civil, em geral.
 
Com as posições genuínas e “desassombradas” do Dr. Paulo Rangel, por vezes polémicas, esta Conferência promete ser uma “pedrada no charco” e marcar o início da agenda política nacional do ano 2010.
 
O Dr. Paulo Rangel é uma eminente personalidade do panorama político nacional. Registou no passado recente uma ascensão meteórica no PSD, sendo nos dias de hoje, uma figura incontornável do Partido. É, sem margem para dúvidas, um dos políticos portugueses mais respeitados da actualidade e um dos rostos de uma nova forma e geração de fazer política.
 
O Dr. Paulo Rangel, nascido a 18 de Fevereiro de 1968, tem 41 anos. Licenciado em Direito, jurista, jurisconsulto, é actualmente Deputado ao Parlamento Europeu. Foi o grande vencedor das Eleições Europeias de 2009, tendo derrotado Vital Moreira (PS), o que para muitos era impossível de acontecer e o que praticamente nenhuma sondagem previa.
 
Foi Deputado à Assembleia da República e ascendeu a Presidente do Grupo Parlamentar do PSD na Assembleia da República. No XVI Governo Constitucional desempenhou as funções de Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Justiça.
 
Durante vários anos dedicou-se à docência universitária. Foi ainda membro da Direcção da Associação "Amigos do Coliseu" e membro da Direcção da Associação Comercial do Porto. Autor de várias publicações destaca-se a obra “Repensar o Poder Judicial” (Publicações Universidade Católica – 2001). Em 1986 recebeu o Prémio Dr. António Ferreira Gomes, e em 1989 foi agraciado com o Prémio René Cassin (Conselho da Europa).
publicado por cagido às 22:39

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009

PAULO RANGEL EM ANADIA

 

INFORMAÇÃO À IMPRENSA
- Paulo Rangel em Anadia -
Paulo Rangel, a convite da Comissão Política de Secção do PSD de Anadia (PSD/Anadia), deslocar-se-á ao Concelho de Anadia, para uma Conferência subordinada à temática da Educação.
O evento realizar-se-á no próximo dia 08 de Janeiro (Sexta-feira), pelas 21 horas, em local a informar oportunamente.
Paulo Rangel, Jurista, ex-Presidente do Grupo Parlamentar do PSD na Assembleia da República, foi o cabeça-de-lista pelo PSD às Eleições Europeias deste ano, tendo sido o grande vencedor deste acto eleitoral.
Paulo Rangel registou no passado recente uma ascensão meteórica no PSD, sendo nos dias de hoje, uma figura incontornável do Partido e um dos políticos portugueses mais respeitados da actualidade.
Com as posições genuínas e desassombradas de Paulo Rangel, por vezes polémicas, esta Conferência promete ser uma “pedrada no charco” e marcar o início da agenda política nacional do ano 2010.
Esta iniciativa, dirigida primordialmente aos militantes do PSD, está igualmente aberta aos simpatizantes e à sociedade civil, em geral.
Deste modo, vimos convidar as Sras. e os Srs. da Comunicação Social a estar presentes e a divulgar esta actividade política de elevado interesse, da forma que considerarem mais oportuna.
Anadia, 26 de Dezembro de 2009
A Comissão Política de Secção do PSD de Anadia
publicado por cagido às 10:34

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Dezembro de 2008

EM PORTUGAL AINDA HÁ ALGUÉM QUE PERCEBA DE EDUCAÇÃO E OUTRAS COISAS MAIS

   Entrevista concedida ao Semanário, na semana passada, por Ana Benavente, Ex-Secretária de Estado da Educação.

"Nesta política do PS vejo traços de neo-liberalismo que esperava ver no PSD, e nunca no PS. Um partido de poder, como é o PS, tem fases. Acho que o Partido Socialista está a viver o período em que mais se afastou da sua matriz e da sua história."

"Este Governo tem humilhado os professores de uma maneira inacreditável"

A secretária de Estado dos Governos de António Guterres traça um cenário negro Educação no nosso País e critica as políticas seguidas pelo Ministério: "Este Governo tem humilhado os professores de uma maneira inacreditável". Em entrevista, na qual critica fortemente a orientação ideológica do PS de José Sócrates, afirma ter esperança que, passada a deriva neo-liberal, alguém vai aparecer e unir o partido em seu torno".

Na última edição da revista Opinião Socialista escreveu um artigo em que salienta que a escola não funciona para dar programas mas sim para assegurar as aprendizagens. Não funciona de modo burocrático e centralizado mas sim com autonomia e com flexibilidade. Não vive esmagada por tarefas administrativas mas centra-se nos alunos... Foi esta a escola que deixou quando, em 2001, saiu do Governo?

Não. Mas era a escola que procurava construir com os professores, com os pais, com os autarcas... Estou absolutamente convicta de que a mudança da escola é muito lenta, mas estávamos na direcção certa. Caminho que foi brutalmente interrompido por um Governo PSD, que empobreceu e tirou sentido às áreas não disciplinares e que atacou e maltratou a situação dos professores e das escolas - com uma problemática colocação dos professores. Depois de todos estes incidentes, seguiu-se um Governo de maioria absoluta do PS, que tem vindo a desenvolver uma política educativa da qual eu discordo em absoluto e que considero ser o maior ataque à escola pública - que eu nunca esperei que viesse do PS.

"Maior ataque à escola pública" em que sentido?

No sentido da centralização e de afrontar os professores, que são os primeiros parceiros na melhoria da qualidade do ensino. Este Governo tem humilhado os professores de uma maneira inacreditável, considerando que são uma corporação e não cidadãos organizados. O Governo impôs uma série de medidas, tanto no estatuto da carreira docente, na direcção das escolas ou no ensino especial, que não são feitas com a comunidade educativa mas contra. O próprio estatuto dos professores, com a questão das quotas, é completamente absurdo. Todos gostaríamos que todos os professores fossem muito bons. Dizer que numa escola só pode haver dois professores excelentes e três muito bons não é uma questão de avaliação mas sim de classificação.

Não é assim em toda a Função Pública?

Sim, mas eu acho mal. A dita curva da normalidade é uma maneira de obrigar a realidade a conformar-se a uma visão prévia. Imagine que três alunos têm dezassete num exame. Mas só se pode atribuir dois. Tira-se à sorte e um aluno que teve dezassete passa a ter 15? Acho isto completamente absurdo. O Governo não entende que o trabalho com pessoas, para além de competências científicas e profissionais, exige muito das pessoas. Os professores são uma das profissões em que há maior stress, porque todas as mudanças sociais chegam à escola.

As escolas vão sofrendo as evoluções da sociedade...

O modo como as famílias, hoje, estão mais ausentes; o modo como os jovens têm uma relação com os adultos muito diferente do que era há cinquenta anos. Na escola é a única instituição onde toda a população está, é universal. E os professores têm de lidar com essa realidade. E pensar, por exemplo, que a indisciplina resulta de um defeito dos professores está completamente errado.

Penso que o cenário negro que traça estará, também, na base do conflito entre professores e Ministério. Como é que se sai deste impasse?

Acho muito difícil, neste momento, sair de uma maneira positiva - muito mal já foi feito. O PS não tem sabido gerir a sua maioria absoluta. As negociações fazem-se antes de aplicar as medidas e não depois de se verificar que elas não são passíveis de serem aplicadas.

Não há, igualmente, alguma intransigência por parte dos sindicatos?

Não há intransigência por parte dos sindicatos, eles até têm vindo a reboque dos professores. Os sindicatos tardaram a manifestar-se e aceitaram, protestando, o estatuto dos professores titulares e não titulares - que criou situações de grande injustiça. Não me passaria pela cabeça que o Ministério pudesse impor às escolas um modelo de avaliação que não experimentou. Por que não contactou uma escola, em cada Direcção Regional, que estivesse disponível para o ajudar a ver, na prática, como é que se traduziria o modelo de avaliação?

Mas tem de existir alguma solução...

Neste momento, as posições estão muito extremadas. O Governo está a tentar suavizar a situação pondo o secretário de Estado adjunto na primeira linha e não a ministra. Mas o mal, à escola pública, já está feito. Há, inclusivamente, alguns sinais de mercantilização - que também existem em outros países -, como foi o caso do inglês. Uma medida bem-vinda mas que foi negociada com privados, com escolas de inglês.

O PS quer assassinar a escola pública?

Nesta política do PS vejo traços de neo-liberalismo que esperava ver no PSD, e nunca no PS. Um partido de poder, como é o PS, tem fases. Acho que o Partido Socialista está a viver o período em que mais se afastou da sua matriz e da sua história.

Voltando à Educação...

A escola está a viver um momento muito difícil. Mas se traço um cenário negro, gostaria de salientar que também há boas práticas - há escolas a funcionar bem. Sempre tive a esperança de que para transformar a escola é preciso partir daquilo que melhor se faz, para que essas boas práticas possam servir de inspiração. Não por decisões tomadas em gabinete ou ordens abstractas e teóricas. Tem de ser numa aprendizagem que os professores fazem de outras escolas. Caímos numa situação absurda - que nunca pensei ver em Portugal - que é o Ministério tomar decisões e depois vir explicar qual o sentido dessas decisões. Aconteceu com o estatuto do aluno.

Em sua opinião, se não existir avaliação, quais os cenários que se avistam?

Não haver avaliação dos professores foi um mal entendido que chegou à opinião pública. Mas não é verdade, pois havia uma avaliação dos professores. Os professores tinham escalões, que percorriam, e para passar de um escalão para o outro tinham determinadas obrigações: formação contínua, relatórios que produziam sobre a sua actividade, projectos na área da inovação ou do ambiente em que participavam e o facto dos mestrados e dos doutoramentos serem reconhecidos para efeitos de carreira. Se o Governo suspendesse a avaliação, continuaria em vigor o modelo que existia e haveria tempo para, de um lado e do outro, aparecerem propostas, serem devidamente negociadas, experimentadas e generalizadas se forem viáveis. Esta seria a única maneira de sanear a situação.

Em termos políticos, esta equipa do Ministério ainda tem condições para continuar as suas funções?

Teria de haver uma mudança das políticas. Não gosto de falar em mudança de protagonistas sem mudança das políticas. Se é para vir outra pessoa e retomar as mesmas políticas, não resolve coisa nenhuma; se vier uma nova equipa e com outro estilo, acho que seria bem-vindo. Em democracia, nunca um Governo pode ter medo de dizer que se enganou e que errou. Eu própria, nos seis anos que passei no Ministério, também cometi muitos erros. Coisas que nos parecem certas, que propomos e que são mal comunicadas e mal interpretadas.

Em seu entender, tem algum sentido as movimentações da esquerda (como o debate de dia 14 de Dezembro) culminarem na criação de um novo partido?

Não. Por duas razões: o Partido Socialista vai viver outras fases e dividir o PS não me parece bem e os partidos que têm sido criados (desde o PRD ao PND) têm mostrado que não há espaço para mais partidos em Portugal. Estes movimentos, pelo contrário, criam uma área de expressão que talvez evite a criação de outro partido. A esquerda do Partido Socialista sente-se órfã porque o PS está a Governar muito à direita. Se o partido ocupar o espaço que corresponde à sua base social de apoio, encontraremos o nosso espaço dentro do PS.

Apoiaria Manuel Alegre?

Tenho simpatia pelas posições dele - conheço-o desde os tempos do exílio - mas não o apoiei para as eleições presidenciais e não participo no seu movimento.

Falou na refundação do PS. António José Seguro poderá ser a pessoa ideal para a fazer?

Não sei... Ainda não vi o António José Seguro tomar qualquer posição que indique vontade de avançar. Tenho esperança que, passado este momento e esta deriva neo-liberal, alguém vai aparecer e unir o partido em seu torno. Reencontrar o PS de esquerda, que considero um partido com uma dimensão social forte, mais do lado do povo do que do lado dos banqueiros - não querendo dizer que o Governo não se tem de preocupar com todas as instituições. O Governo do PS, infelizmente, tem estado demasiado do lado do poder do grande capital e da finança e muito pouco do lado das pessoas. Deriva neo-liberal que o PS - há semelhança de outros partidos socialistas - vai pagar muito caro.

Acredita que esse alinhamento pode ser feito ainda antes de 2009?

Penso que não. Embora os sinais de dificuldades no Governo se acentuem. Sente-se isso em muitos domínios para além da Educação, nomeadamente no emprego. A questão das minas de Aljustrel está muito mal explicada, as decisões que são tomadas relativamente aos contentores na zona de Alcântara também... Já há muitos sinais de que as pessoas não estão de acordo e que começam a achar que esta maioria absoluta sem diálogo não é firmeza. A sociedade portuguesa está sem esperança e tristonha. E há algum receio, em pessoas que têm as suas dependências - que nós compreendemos -, de se manifestarem e de dizerem exactamente o que pensam. Acho isso muito perigoso e frustrante, do ponto de vista da cidadania, numa sociedade democrática.

Já equacionou abandonar o PS e rasgar o cartão de militante?

Não... O cartão até é plastificado. Não Pensei. Sempre encontrei o meu espaço dentro do Partido Socialista, com discordâncias mais ou menos importantes. Considero a actual discordância muito importante, mas atrás de tempos, tempos vêm.

Duarte Albuquerque Carreira

publicado por cagido às 22:02

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Novembro de 2008

REFLEXÃO

   Recebi hoje na minha caixa de correio electrónico uma mensagem com o seguinte conteúdo, do qual podemos fazer uma reflexão sucinta daquilo que o país está a atravessar, nomeadamente, no ensino.

   “É público que os Professores do País estão em luta contra a irresponsabilidade e o maquiavelismo da actual maioria, empenhada em permanente propaganda enquanto a pobreza do e no país cresce.
   São evidentes os tiques pidescos da actual maioria, que tenta matar tudo o que à volta não concorda com o que fazem. Ninguém esconde que se vive em Portugal num ambiente de desconfiança de uns nos outros, de medo em afirmar o que se pensa e de opressão. Tudo isto é possível porque o actual governo encheu toda a administração pública de gente sem carácter, muita da qual roça a acefalia, cobarde, mas que à voz do dono se mostra assanhada e exibe dentes e garras para atacar. São os boys and girls, os empregados pelo poder PS, os beneficiários de favores do PS no poder, as filhas dos autarcas, os sobrinhos dos empresários que negoceiam com esta podridão que esmaga a democracia e oprime o que têm carácter, coluna e jamais vergonha de ser honestos.
   Depois dos casos públicos de perseguição, agora, em Viana do Castelo, a Coordenadora da Equipa de Apoio às Escolas, cujo desempenho tem gerado mais troça que seriedade, dirigiu-se ao órgão executivo da escola Frei Bartolomeu dos Mártires para identificar o professor que interveio na Reunião Geral de Professores daquela escola, propondo a aprovação de um manifesto contra o actual estatuto docente e respectivos regulamentos, em particular o sistema de avaliação de professores.
   Onde quer esta senhora chegar? Portugal ainda dorme?
   Quem é esta gente que, por terem uma maioria parlamentar, se assumem donos do poder, da verdade única, do pensamento e do Estado (vergonhoso, ao que chegou)?
   Não conheço esse professor ou professora, mas, pela coragem que revelou, imagino que ele (a) também andará por aí, certamente de cabeça erguida, o que a tal coordenadora não deverá certamente poder
fazer, pelo que se vê.
   ACORDEM! Portugueses, NÃO TENHAIS MEDO! Só os fracos usam o poder e os tachos do poder para se afirmarem.
   Aos Professores peço que continuem, como eu fiz em tempo, a cumprir como sempre fizeram a missão nobre de educar. Pena é que alguns dos que pela escola passaram tenham virado tiranos e ficado mais cegos do que eram com o engano em que vivem no exercício de cargos: pobres espíritos! O futuro é pai e médico atento.
   Jamais os professores devem silenciar o que pensam, pois são classe à qual se exige reflexão crítica e intervenção pública, mais ainda em educação.
   Só quem não é capaz de pensar por si julga ser possível delito de opinião.
   Onde pára a comunicação social? Há medo também neste meio?
   O que faz o Provedor de Justiça? E o Ministério Público? E os deputados da Nação?
   DENUNCIE-SE!!!
 P.S. Infelizmente não posso assinar com o meu nome pois corro o risco de acontecer como a outros cidadãos: ' prateleira ' ou o desterro!" 
publicado por cagido às 20:22

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

2.ª CONFERÊNCIA SOBRE EDUCAÇÃO EM ANADIA

 

   Decorreu hoje em Anadia a 2.ª Conferência sobre Educação - Transferência de Competências para as Autarquias, com a presença da sr.ª Ministra da Educação Dr.ª Maria de Lurdes Rodrigues e do sr. Secretário de Estado Dr. Valter Lemos, entre outras doutas personalidades.

   Após escutar com muita atenção todos os intervenientes, durante a sessão da manhã e posteriormente, a da tarde, tenho algumas notas a salientar:

1.º O discurso coerente e realista do presidente da Câmara Municipal de Ílhavo Eng.º Ribau Esteves, que de forma sintética nos mostrou a importância e o papel das autarquias no sistema educativo português e na educação em geral, alertando para o cultivo da responsabilidade, a ser incutido nos mais novos.

2.º A intervenção pouco feliz, no meu ponto de vista, do presidente da Câmara Municipal de Anadia, professor Litério Marques, não havendo necessidade, de prestar quase um acto de vassalagem e elogio ao mesmo tempo, para com a sr.ª Ministra da Educação, destacando o seu desempenho ao longo do seu mandato. Julgo que poderia ter dispensado tal facto. Esteve bem ao alertá-la para a importância de se reverem certos pontos, no que diz respeito ao protocolo da transferência de competências do Ministério da Educação para as Autarquias.

3.º A sessão vespertina era também composta por um excelente painel de oradores, mas com um número de espectadores inferiores ao da sessão matinal.

   Um longo caminho há ainda a percorrer relativamente a esta temática, mas como referiu Ribau Esteves, a vida é feita também de pequenos passos, que por serem de menor dimensão, não deixam de ser importantes.

publicado por cagido às 17:28

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Visitantes

Contador de visitas

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. ECOPARQUE DE ANADIA - UM ...

. REGRESSO À ESCOLA

. «A ATUAL EDUCAÇÃO ESTRAGA...

. ANTES E DEPOIS

. CONFERÊNCIA COM PAULO RAN...

. PAULO RANGEL EM ANADIA

. EM PORTUGAL AINDA HÁ ALGU...

. REFLEXÃO

. 2.ª CONFERÊNCIA SOBRE EDU...

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds