Terça-feira, 31 de Julho de 2012

PRAIA DA VAGUEIRA - VAGOS

 

   Ontem passei o dia todo na praia da Vagueira com a família e alguns amigos. Para surpresa de todos apanhámos um tempo espetacular, pois não havia vento, como bem sabemos este local é, por vezes, bastante ventoso e a temperatura da água estava ótima. Deste modo, usufruímos de um dia de praia magnífico.

   Venham mais dias assim!

publicado por cagido às 18:31

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

"MENSAGEM DE ANO NOVO - FAMÍLIA, ESPERANÇA E DOM!"

(Presépio da Igreja Paroquial S.Paio de Arcos-Anadia)

   O próximo ano adivinha-se bastante difícil para todas as famílias a vários níveis. Contudo, não podemos desmoralizar, pelo contrário temos de ser fortes e corajosos para ultrapassarmos os obstáculos.

   Para tal, as famílias têm que pôr em prática a união, a simplicidade, a entrega, a força, a graça, a persistência, o amor e o carinho existente no presépio de Belém.

   "Como família cristã, precisamos de sentir que somos chamados a tomar parte na vida e na missão da Igreja. Precisamos de abrir o nosso coração ao amor de Deus para dizermos o nosso "SIM", íntegro e decidido, como fez Maria". (Paróquia de Arcos-Anadia).

   Desejo a todos os meus familiares, amigos e leitores deste blog um Ano Novo cheio de coisas boas, acima de tudo com saúde para podermos trabalhar.

   Feliz 2012!

publicado por cagido às 11:47

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Outubro de 2011

CINEMA EM FAMÍLIA

   Está em exibição durante este fim de semana, com matiné no domingo, no cineteatro de Anadia o filme « O Guarda do Zoo».

   Uma comédia hilariante que recomendo a pais e filhos, para bons momentos em família.

   Aproveite o preço dos bilhetes praticados por cá, com a crise económica instalada no nosso país.

publicado por cagido às 13:29

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

"DEUS AINDA É DEUS, DEUS AINDA É BOM... A ELE SEJA A GLÓRIA."

 

   Uma história comovente. É sempre bom parar de vez em quando, neste mundo cada vez mais agitado, para refletirmos mais no que é necessário:
mais nos nossos filhos e restante família, mais nos nossos amigos, mais nos doentes, mais nos idosos, mais naqueles que precisam de ajuda e, acima de tudo, mais em Deus.
   Que a história de Zac Smith seja uma grande lição de vida para todos nós.
publicado por cagido às 22:32

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 7 de Novembro de 2010

A FAMÍLIA JÁ NÃO É O QUE ERA

   Passo na íntegra um excelente artigo publicado hoje no jornal de Notícias sobre a FAMÍLIA.

   Vale a pena ler! A continuarmos assim não sei onde vamos parar. Ainda falam da Igreja, se não é ela, isto já tinha descambado há muito tempo. Os nubentes que casam pela igreja façam um bom CPM (Curso de Preparação para o Matrimónio) e, depois verão a beleza do casamento.

    

A família já não é o que era

Cláudia Luís 

foto Global Imagens / Alfredo Cunha

 
 

Há mais casais sem filhos, mais divórcios, mais agregados monoparentais. Há ainda os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos e os novos filhos que nascem do novo casal.

Uma mãe e um pai, casados pelo civil e pela Igreja, com um ou mais filhos a viver na mesma casa: este conceito tradicional de família está a mudar. Passados cem anos sobre a primeira lei do divórcio em Portugal, hoje, por cada dois casamentos há uma separação. Ter filhos deixou de ser uma prioridade e há cada vez mais famílias monoparentais, avançou, esta semana, a Pordata, base europeia de dados estatísticos.

Os números traçam o retrato com precisão: há uma média de 72 divórcios por dia em Portugal, contabilizou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Há 50 anos, a média era de dois por dia. Mas, ultrapassado o "boom" de separações depois da revisão da Concordata, em 1975. Hoje, verifica-se, ainda, um aumento de divórcios. Até ao dia 15 de Outubro do ano passado, houve cerca de 40 mil casamentos e 26 mil divórcios. São números do INE que, note-se, não incluem as separações de casais em união de facto, que são cada vez mais, avaliando pelos nascimentos de bebés, filhos de pais não casados.

O conceito de família mudou. Segundo a Pordata, actualmente, os casais que optam por ter filhos são cada vez menos, uma tendência que confronta a tradição. Em Portugal, havia 2  224  100 famílias sem crianças em 2005. Três anos depois são 2 357 400 casais. A tendência é partilhada por toda a União Europeia (UE). Fruto da subida de divórcios, aumentaram, por sua vez, as famílias monoparentais em 2,6%, no nosso país, e 5,45% na UE dos 27, no mesmo intervalo de tempo. E, note-se, em 2008, registou-se 90,4% de mulheres portuguesas sozinhas com os filhos, uma tradição que promete não mudar. A descer nas estatísticas estão os casais com filhos: passaram de 27,3% para 25,8% no nosso país.

O que pensam hoje as pessoas sobre o casamento e sobre a família? Por que há tantos divórcios? E por que subiu a procura da terapia familiar? Será a crise a única razão para a diminuição da natalidade?

Prioridade: ser feliz custe a quem custar

As amarras do casamento tradicional deixaram de existir. Valoriza-se  a realização pessoal na procura pela relação e pela família perfeitas.

Há cada vez mais divórcios e a tendência será para continuarem a subir, acreditam os sociólogos. Quer isto dizer que o casamento e a família estão em crise? Não. Quer dizer precisamente o contrário: "As pessoas não se divorciam por deixarem de acreditar no casamento. Dão, isso sim, um sinal de crença reforçada no casamento", defende o sociólogo da família Pedro Vasconcelos. "Rompem com uma família para ir à procura de outra", reforça a socióloga Engrácia Leandro. Nas sociedades modernas, o objectivo é ser feliz.

Prova disso mesmo é o facto de muitas das pessoas que se divorciam procurarem novas relações e, muitas vezes, novas famílias. Segundo Engrácia Leandro, professora catedrática e investigadora do Centro de Investigação de Ciências Sociais da Universidade do Minho, "as pessoas colocam-se a elas próprias acima de tudo. É o processo incessante da busca da felicidade pela felicidade".

Ao contrário do que sucedia no passado (não muito distante, há algumas décadas atrás), em que "a vida estava programada de acordo com um modelo dominante de ideologia e moral familiar, hoje, a moral e a ideologia não são tão tradicionalistas. Há mais liberdade individual", explica Pedro Vasconcelos docente e investigador do Instituto de Ciências Sociais do Instituto Superior da Ciência do Trabalho e da Empresa (ISCTE) da Universidade de Lisboa. Com a modernidade veio a individualização e esbateu-se a rigidez dos papéis do homem e da mulher na sociedade e na família.

Assim, segundo a ideologia actual, "valoriza-se mais a relação e não a instituição. A conjugalidade deixou de estar articulada com o casamento institucional. A formalização da relação passou a ser irrelevante. Em suma, o que é central é a relação" - frisa o sociólogo. 

Num processo de mudança de mentalidades muito lento, casar deixou de ser - na generalidade - uma forma de aceder a um determinado estatuto social, "independentemente da realização pessoal", continua o mesmo investigador. Contudo, ainda hoje são mais comuns os casamentos entre pessoas de condição social semelhante, por exemplo.

Hoje valoriza-se mais a família

Não obstante a contagem de um divórcio por cada dois casamentos, no ano passado, a docente da Universidade do Minho afirma, sem margem para hesitações, que "hoje, valoriza-se mais a família". Engrácia Leandro sustenta-se nos mais recentes inquéritos locais, europeus e até mundias que colocam a família, quase sempre, em primeiro lugar. "Não é a família que está em crise", afirma a socióloga. "É o modelo tradicionalista de casamento", complementa o sociólogo da Universidade de Lisboa.

No mesmo sentido, a socióloga Sofia Aboim declarou, esta semana, à Lusa, que "houve uma transformação profunda na forma como as pessoas concebem o casamento. Não já algo a que estão amarradas pelo peso da tradição, mas algo com que podem acabar se não se sentirem individualmente satisfeitas na relação".

Mas, defende Engrácia Leandro, "a família  é o primeiro reduto de felicidade. É o lugar onde as pessoas são pessoas". Na família, as pessoas são o que são. Não são definidas pela sua profissão, pelo seu saldo bancário ou pelo número do cartão de cidadão. E "o conceito de família mudou muito profundamente. Ainda que não da mesma forma em determinados grupos sociais", acrescenta.

Mulheres são mais sobrecarregadas

O aumento de divórcios, entre outros factores, conduziu ao aumento de famílias monoparentais. São cada vez mais. Mas "já nos anos 40 (do século passado) Portugal tinha a maior taxa de filhos fora do casamento", recorda Pedro Vasconcelos. Invariavelmente, a tradição ainda é o que era no que diz respeito ao progenitor que fica com os filhos - a mulher. Já o homem,  com menos encargos, tem maior facilidade em começar uma nova relação e criar uma nova família recomposta. "A mulher não tem tanta condição de entrar no mercado de casamento, porque é mais sobrecarregada com os filhos", confirma Engrácia Leandro.

Da realidade das famílias monoparentais pode advir uma outra: o contributo para o aumento da pobreza em Portugal. No caso de, por exemplo, o pai deixar de contribuir financeiramente para a educação do filho, à guarda da mãe, gera-se uma família com mais dificuldades, mais pobre.

Já as famílias recompostas que surgem com o desmembramento de outras famílias são ainda mais complexas. Há mais laços familiares para fortalecer: os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos, os novos filhos que nascem do novo casal.

Há toda uma rede alargada de desconhecidos que passam a ser familiares com quem é necessário estabelecer uma ligação.

Ética da privação fora de moda

Nem todos os casais querem ter filhos. Aliás, aumenta o número de pessoas que não pretendem contribuir para o aumento da natalidade portuguesa. Neste âmbito,  "são, sobretudo, as mulheres que sentem mais o peso do preconceito de escolherem não serem mães", ressalva o docente do ISCTE.

Em nome da individualização e do conforto material, há quem não queira ter filhos, porque os filhos também representam despesa: na escolarização, depois no carro, mais tarde na entrada para a casa", acrescenta Engrácia Leandro. "A ética do sacrifício, da privação, ficou fora de moda".  

Uma outra realidade é vivida pelos casais que querem ter filhos, mas não têm. Aí, defende Pedro Vasconcelos, "as pessoas sentem que não têm as condições necessárias para educar os filhos. Hoje, a educação é mais exigente".

Não será, então, a crise económica um factor determinante na baixa natalidade em Portugal? Para o autor do artigo Famílias Complexas: Tendências de Evolução, publicado em Sociologia - Problemas e Práticas, nº 43, Pedro Vasconcelos, "a crise tem efeitos mínimos na questão da baixa de natalidade. As crise de hoje não são comparáveis com as de há 100 anos, em que havia mais fome. As de hoje podem causa flutuações ligeiras. A menos que, a pretexto da crise, haja alterações no estado social, no caso as medidas de apoio à natalidade diminuam e de forma persistente". Mas, destaca o sociólogo, "a maioria das pessoas quer ter filhos". Quer ter uma relação que lhe traga felicidade, quer formar uma família.

Pronto-a-deitar-fora

Segundo dados da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, há uma procura crescente de casais que querem ajuda para evitar o divórcio. Um facto que traduz o empenho e o investimento das pessoas nas relações, levando-as ao ponto de investir tempo e dinheiro para salvá-las.

"Os insucessos acontecem porque há um grande investimento nos sentimentos. E não há nada mais frágil do que os sentimentos", afirma a docente da Universidade do Minho.

Mas nem todos os fracassos mereceram tanto empenho. "Hoje tudo é pronto-a-comer, pronto-a-vestir e pronto-a-deitar fora", acrescenta. O individualismo e a busca da felicidade pela felicidade ditam, muitas vezes, o final de casamentos e relações após poucos meses de convivência. Nas sociedades modernas, recorde-se, o objectivo é ser feliz. Por vezes, custe a quem custar.

 

publicado por cagido às 18:02

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 31 de Julho de 2010

FÉRIAS

   Durante os próximos 10 dias estarei em gozo de férias na pequena e bonita praia de Benagil (Lagoa) com a mulher e filhos, para um merecido descanso. É um local tranquilo e sossegado ideal para recarregar as baterias.

   Tal como no ano anterior, não vou deixar de rezar por aqueles que não têm possibilidades de ter férias fora de casa. Aproveito também para rever familiares e, desejo, igualmente, que os habituais leitores do meu blogue tenham umas óptimas férias. Se for para a estrada tenha muita precaução, evite velocidades excessivas, não beba bebidas alcoólicas e partilhe bons momentos com a família. Deus vos abençoe!

publicado por cagido às 14:11

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 11 de Abril de 2010

DOMINGO DE PASCOELA

   Nada melhor que passar este Domingo de Pascoela, em família, com um esplêndido dia primaveril, através de uma ida até à praia de Mira, onde tive a oportunidade de apreciar as brincadeiras dos filhotes, os parapentes com motor e a perícia dos seus pilotos, a arte xávega bem típica dos pescadores desta praia, o seu pescado, as gaivotas atraídas pelo cheiro do peixe e os banhistas mais aventureiros, sem medo da água fria. Venham mais dias assim!

publicado por cagido às 19:41

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 4 de Março de 2010

PARABÉNS MEU PAI!

   O meu pai completa hoje 76 lindas Primaveras, apesar de nos últimos tempos a saúde dar sinais de alguma fraqueza. Contudo, é mais um dia para se celebrar e, deste modo, toda a família e amigos lhe desejam um feliz dia de aniversário. Os seus netos, nora e filho daqui de Anadia mandam-lhe um grande beijo ternurento.

publicado por cagido às 12:34

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 30 de Julho de 2009

FÉRIAS

   Durante os próximos 8 dias eu e restante família vamos gozar as merecidas férias de Verão, numa das muitas bonitas praias do Algarve. Serão dias de descanso e de lazer com a mulher, filhos e amigos. Assim sendo, o blogue também vai entrar alguns dias de pausa.

   A todos aqueles que, infelizmente, não têm férias, pelos mais variados motivos (desemprego, salários em atraso, etc. ) rezarei por eles, para que melhores dias regressem depressa. Aos que se encontram a trabalhar, bom trabalho, pois é sinal de alguma estabilidade económica.

publicado por cagido às 22:41

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Visitantes

Contador de visitas

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PRAIA DA VAGUEIRA - VAGOS

. "MENSAGEM DE ANO NOVO - F...

. CINEMA EM FAMÍLIA

. "DEUS AINDA É DEUS, DEUS ...

. A FAMÍLIA JÁ NÃO É O QUE ...

. FÉRIAS

. DOMINGO DE PASCOELA

. PARABÉNS MEU PAI!

. FÉRIAS

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds