Domingo, 18 de Novembro de 2012

SEMANA DOS SEMINÁRIOS

Oração da Semana dos Seminários:

 

Ó Maria,

vós sois feliz porque acreditastes,

primeiro na fé em Cristo,

a imagem e a figura da Igreja crente.

Rogai a Deus por nós,

para que sejamos firmes na fé,

na alegria do encontro com Cristo.

 

Ó Maria,

Vós sois a Mãe de Cristo Sacerdote,

a humilde Serva do Senhor,

a mãe da Igreja crente.

Rogai a Deus pelos sacerdotes,

para que sejam servos de fé dos irmãos,

na alegria de crer

e no entusiasmo de comunicar a fé.

 

Ó Maria,

vós sois a mulher

do "Sim" total a Deus,

sempre disponível à vontade do Pai,

a Rainha de todas as vocações.

Rogai a Deus pelos seminaristas,

para que reconheçam o amor de Deus,

na resposta decidida à sua vocação.

Ámen.

publicado por cagido às 19:21

link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Julho de 2012

HOJE É O DIA DOS AVÓS

 (Emília e Aucínio avós paternos)     (Florinda e António avós maternos)

   No dia em que a Igreja recorda S. Joaquim e Santa Ana, pais de Nossa Senhora e avós de Jesus quero aqui também prestar uma singela homenagem aos avós dos meus filhos que, infelizmente, já não podem brincar com os avós paternos, mas ainda usufruem da boa companhia dos avós maternos.

   Na sociedade dita moderna os avós passaram a ter um papel preponderante, pois são eles muitas das vezes os segundos pais contribuindo em grande parte na educação dos seus netos, deste modo têm e continuarão a ter um papel ativo depois de tantos anos de trabalho.

   Para os casais novos bem sabemos a falta que eles fazem quando não estão perto de nós, como é o meu caso.

   Para todos os avós do mundo vai um grande beijinho, em especial os dos meus filhos com um grande sentimento de saudade para os que já partiram.

publicado por cagido às 15:50

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

HELICÓPTERO NO SILVEIRO

   A Solsil, instituição de solidariedade social do Silveiro proporcionou ao longo do dia de hoje, uma grande quantidade de "baptismos" de voo de helicóptero a dezenas de pessoas, que assim puderam sobrevoar o concelho de Oliveira do Bairro, durante 15 minutos.

   Com descolagens e aterragens no largo do Barreiro, entre a igreja e a escola do 1.º Ciclo, vários foram os curiosos a assistir a um espectáculo pouco comum na localidade, para delírio das crianças, que tiveram a oportunidade de ver mais perto este tipo de aeronave.

publicado por cagido às 19:29

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 27 de Novembro de 2010

PREPARAÇÃO PARA O ADVENTO

"É de noite. Está frio.

Lá fora e na minha alma.

São tantas as dificuldades, os fracassos...

Só me apetece dormir, descansar, desistir de tentar.

Mas tu insistes. E pedes-me que mantenha

os olhos abertos e o coração atento.

Tu prometes que virás.

Senhor, dá-me olhos abertos, capazes de seguir

a tua luz no meio da noite escura.

Senhor, desperta o meu coração para ouvir as tuas

palavras esquecidas na minha preguiça, íntimo de mim mesmo.

As tuas palavras convidam-me a vigiar.

Dizem-me para rezar como Jesus e

viver segundo o seu Evangelho.

As tuas palavras convidam-me a vigiar.

Convidam-me a dizer a verdade, a rezar pelos meus inimigos e perdoas a quem me ofende.

As tuas palavras convidam-me a vigiar.

Deixem-me viver com alegria porque muito

nos amais e quereis a nossa felicidade.

Dá-me um coração acolhedor,

capaz de se deixar tocar pela tua esperança".

 

   Oração rezada no final da eucaristia de hoje, 1.º fim-de-semana do Advento, na Igreja Paroquial de Arcos Anadia.

publicado por cagido às 23:48

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 7 de Novembro de 2010

A FAMÍLIA JÁ NÃO É O QUE ERA

   Passo na íntegra um excelente artigo publicado hoje no jornal de Notícias sobre a FAMÍLIA.

   Vale a pena ler! A continuarmos assim não sei onde vamos parar. Ainda falam da Igreja, se não é ela, isto já tinha descambado há muito tempo. Os nubentes que casam pela igreja façam um bom CPM (Curso de Preparação para o Matrimónio) e, depois verão a beleza do casamento.

    

A família já não é o que era

Cláudia Luís 

foto Global Imagens / Alfredo Cunha

 
 

Há mais casais sem filhos, mais divórcios, mais agregados monoparentais. Há ainda os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos e os novos filhos que nascem do novo casal.

Uma mãe e um pai, casados pelo civil e pela Igreja, com um ou mais filhos a viver na mesma casa: este conceito tradicional de família está a mudar. Passados cem anos sobre a primeira lei do divórcio em Portugal, hoje, por cada dois casamentos há uma separação. Ter filhos deixou de ser uma prioridade e há cada vez mais famílias monoparentais, avançou, esta semana, a Pordata, base europeia de dados estatísticos.

Os números traçam o retrato com precisão: há uma média de 72 divórcios por dia em Portugal, contabilizou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Há 50 anos, a média era de dois por dia. Mas, ultrapassado o "boom" de separações depois da revisão da Concordata, em 1975. Hoje, verifica-se, ainda, um aumento de divórcios. Até ao dia 15 de Outubro do ano passado, houve cerca de 40 mil casamentos e 26 mil divórcios. São números do INE que, note-se, não incluem as separações de casais em união de facto, que são cada vez mais, avaliando pelos nascimentos de bebés, filhos de pais não casados.

O conceito de família mudou. Segundo a Pordata, actualmente, os casais que optam por ter filhos são cada vez menos, uma tendência que confronta a tradição. Em Portugal, havia 2  224  100 famílias sem crianças em 2005. Três anos depois são 2 357 400 casais. A tendência é partilhada por toda a União Europeia (UE). Fruto da subida de divórcios, aumentaram, por sua vez, as famílias monoparentais em 2,6%, no nosso país, e 5,45% na UE dos 27, no mesmo intervalo de tempo. E, note-se, em 2008, registou-se 90,4% de mulheres portuguesas sozinhas com os filhos, uma tradição que promete não mudar. A descer nas estatísticas estão os casais com filhos: passaram de 27,3% para 25,8% no nosso país.

O que pensam hoje as pessoas sobre o casamento e sobre a família? Por que há tantos divórcios? E por que subiu a procura da terapia familiar? Será a crise a única razão para a diminuição da natalidade?

Prioridade: ser feliz custe a quem custar

As amarras do casamento tradicional deixaram de existir. Valoriza-se  a realização pessoal na procura pela relação e pela família perfeitas.

Há cada vez mais divórcios e a tendência será para continuarem a subir, acreditam os sociólogos. Quer isto dizer que o casamento e a família estão em crise? Não. Quer dizer precisamente o contrário: "As pessoas não se divorciam por deixarem de acreditar no casamento. Dão, isso sim, um sinal de crença reforçada no casamento", defende o sociólogo da família Pedro Vasconcelos. "Rompem com uma família para ir à procura de outra", reforça a socióloga Engrácia Leandro. Nas sociedades modernas, o objectivo é ser feliz.

Prova disso mesmo é o facto de muitas das pessoas que se divorciam procurarem novas relações e, muitas vezes, novas famílias. Segundo Engrácia Leandro, professora catedrática e investigadora do Centro de Investigação de Ciências Sociais da Universidade do Minho, "as pessoas colocam-se a elas próprias acima de tudo. É o processo incessante da busca da felicidade pela felicidade".

Ao contrário do que sucedia no passado (não muito distante, há algumas décadas atrás), em que "a vida estava programada de acordo com um modelo dominante de ideologia e moral familiar, hoje, a moral e a ideologia não são tão tradicionalistas. Há mais liberdade individual", explica Pedro Vasconcelos docente e investigador do Instituto de Ciências Sociais do Instituto Superior da Ciência do Trabalho e da Empresa (ISCTE) da Universidade de Lisboa. Com a modernidade veio a individualização e esbateu-se a rigidez dos papéis do homem e da mulher na sociedade e na família.

Assim, segundo a ideologia actual, "valoriza-se mais a relação e não a instituição. A conjugalidade deixou de estar articulada com o casamento institucional. A formalização da relação passou a ser irrelevante. Em suma, o que é central é a relação" - frisa o sociólogo. 

Num processo de mudança de mentalidades muito lento, casar deixou de ser - na generalidade - uma forma de aceder a um determinado estatuto social, "independentemente da realização pessoal", continua o mesmo investigador. Contudo, ainda hoje são mais comuns os casamentos entre pessoas de condição social semelhante, por exemplo.

Hoje valoriza-se mais a família

Não obstante a contagem de um divórcio por cada dois casamentos, no ano passado, a docente da Universidade do Minho afirma, sem margem para hesitações, que "hoje, valoriza-se mais a família". Engrácia Leandro sustenta-se nos mais recentes inquéritos locais, europeus e até mundias que colocam a família, quase sempre, em primeiro lugar. "Não é a família que está em crise", afirma a socióloga. "É o modelo tradicionalista de casamento", complementa o sociólogo da Universidade de Lisboa.

No mesmo sentido, a socióloga Sofia Aboim declarou, esta semana, à Lusa, que "houve uma transformação profunda na forma como as pessoas concebem o casamento. Não já algo a que estão amarradas pelo peso da tradição, mas algo com que podem acabar se não se sentirem individualmente satisfeitas na relação".

Mas, defende Engrácia Leandro, "a família  é o primeiro reduto de felicidade. É o lugar onde as pessoas são pessoas". Na família, as pessoas são o que são. Não são definidas pela sua profissão, pelo seu saldo bancário ou pelo número do cartão de cidadão. E "o conceito de família mudou muito profundamente. Ainda que não da mesma forma em determinados grupos sociais", acrescenta.

Mulheres são mais sobrecarregadas

O aumento de divórcios, entre outros factores, conduziu ao aumento de famílias monoparentais. São cada vez mais. Mas "já nos anos 40 (do século passado) Portugal tinha a maior taxa de filhos fora do casamento", recorda Pedro Vasconcelos. Invariavelmente, a tradição ainda é o que era no que diz respeito ao progenitor que fica com os filhos - a mulher. Já o homem,  com menos encargos, tem maior facilidade em começar uma nova relação e criar uma nova família recomposta. "A mulher não tem tanta condição de entrar no mercado de casamento, porque é mais sobrecarregada com os filhos", confirma Engrácia Leandro.

Da realidade das famílias monoparentais pode advir uma outra: o contributo para o aumento da pobreza em Portugal. No caso de, por exemplo, o pai deixar de contribuir financeiramente para a educação do filho, à guarda da mãe, gera-se uma família com mais dificuldades, mais pobre.

Já as famílias recompostas que surgem com o desmembramento de outras famílias são ainda mais complexas. Há mais laços familiares para fortalecer: os pais biológicos, os pais sociais, os novos meios-irmãos, os novos filhos que nascem do novo casal.

Há toda uma rede alargada de desconhecidos que passam a ser familiares com quem é necessário estabelecer uma ligação.

Ética da privação fora de moda

Nem todos os casais querem ter filhos. Aliás, aumenta o número de pessoas que não pretendem contribuir para o aumento da natalidade portuguesa. Neste âmbito,  "são, sobretudo, as mulheres que sentem mais o peso do preconceito de escolherem não serem mães", ressalva o docente do ISCTE.

Em nome da individualização e do conforto material, há quem não queira ter filhos, porque os filhos também representam despesa: na escolarização, depois no carro, mais tarde na entrada para a casa", acrescenta Engrácia Leandro. "A ética do sacrifício, da privação, ficou fora de moda".  

Uma outra realidade é vivida pelos casais que querem ter filhos, mas não têm. Aí, defende Pedro Vasconcelos, "as pessoas sentem que não têm as condições necessárias para educar os filhos. Hoje, a educação é mais exigente".

Não será, então, a crise económica um factor determinante na baixa natalidade em Portugal? Para o autor do artigo Famílias Complexas: Tendências de Evolução, publicado em Sociologia - Problemas e Práticas, nº 43, Pedro Vasconcelos, "a crise tem efeitos mínimos na questão da baixa de natalidade. As crise de hoje não são comparáveis com as de há 100 anos, em que havia mais fome. As de hoje podem causa flutuações ligeiras. A menos que, a pretexto da crise, haja alterações no estado social, no caso as medidas de apoio à natalidade diminuam e de forma persistente". Mas, destaca o sociólogo, "a maioria das pessoas quer ter filhos". Quer ter uma relação que lhe traga felicidade, quer formar uma família.

Pronto-a-deitar-fora

Segundo dados da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar, há uma procura crescente de casais que querem ajuda para evitar o divórcio. Um facto que traduz o empenho e o investimento das pessoas nas relações, levando-as ao ponto de investir tempo e dinheiro para salvá-las.

"Os insucessos acontecem porque há um grande investimento nos sentimentos. E não há nada mais frágil do que os sentimentos", afirma a docente da Universidade do Minho.

Mas nem todos os fracassos mereceram tanto empenho. "Hoje tudo é pronto-a-comer, pronto-a-vestir e pronto-a-deitar fora", acrescenta. O individualismo e a busca da felicidade pela felicidade ditam, muitas vezes, o final de casamentos e relações após poucos meses de convivência. Nas sociedades modernas, recorde-se, o objectivo é ser feliz. Por vezes, custe a quem custar.

 

publicado por cagido às 18:02

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Agosto de 2010

FÉRIAS 2010 (CONT.)

   No regresso da praia fiz uma passagem pelo Alentejo com a primeira paragem a recair em Beja.

   Nas fotos podemos ver o seu bonito castelo e a beleza da igreja ao lado deste.

 Infelizmente, o azul do céu neste dia encontrava-se ocultado por uma neblina, retirando algum brilho às fotografias.

publicado por cagido às 11:56

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 7 de Abril de 2009

MUNDÃO

 

   Hoje tive que me deslocar até à minha cidade portuguesa preferida (Viseu), para tratar de assuntos pessoais. Aproveitei também o facto para visitar os meus padrinhos de casamento, que residem bem perto da cidade beirã, numa localidade com um nome característico Mundão. Depois de almoço efectuámos um passeio em família e pude observar o património arquitectónico desta freguesia, do qual saliento a sua igreja matriz, o pelourinho e algumas casas senhoriais. Se visitar Viseu dê um pulinho até ao Mundão e aprecie a beleza desta terra. Na zona do Fontelo, apanhe a estrada que faz a ligação a Sátão e em cinco minutos chega lá.

publicado por cagido às 23:32

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 28 de Dezembro de 2008

DIA DA SAGRADA FAMÍLIA

   A Igreja Católica celebrou hoje o "Dia da Sagrada Família". Derivado à sua importância, hoje na minha paróquia mais de três dezenas de casais, renovaram os seus votos matrimoniais, no qual eu e a minha mulher estávamos incluídos.

   Vivemos numa sociedade em que cada vez mais se proporciona o divórcio, com o legislador a decretar leis para isso mesmo, julgo ser necessário uma reflexão exaustiva para suprimir este e outros factos existentes nas famílias (maus tratos, alcoolismo, etc.). Daí concordar cada vez mais com os Cursos de Preparação para o Matrimónio (CPM), que ajudam em muito os futuros noivos.

   O homem respeite a mulher, a mulher respeite o homem, juntos formam a máxima "Eu e tu somos nós" e quando assim acontece as dificuldades serão mais facilmente ultrapassadas, porque "Quando o fardo é pesado, o peso dividido ao meio, torna-se sempre mais leve".

   Os filhos serão o reflexo dos pais e estes querem sempre o melhor para eles e vice-versa. Saibamos imitar a Família de Nazaré nas suas vivências, no nosso quotidiano.

publicado por cagido às 21:08

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Visitantes

Contador de visitas

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. SEMANA DOS SEMINÁRIOS

. HOJE É O DIA DOS AVÓS

. HELICÓPTERO NO SILVEIRO

. PREPARAÇÃO PARA O ADVENTO

. A FAMÍLIA JÁ NÃO É O QUE ...

. FÉRIAS 2010 (CONT.)

. MUNDÃO

. DIA DA SAGRADA FAMÍLIA

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Março 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds